terça-feira, 30 de setembro de 2014

RASTA DO VASCO 2014: LÍDER DA RASTA DO VASCO DE MANAUS FALA SOBRE A TORCIDA

A expressão “Torcida Organizada” parece trazer consigo uma série de comportamentos recorrentes à cultura radical e fanática de muitos torcedores em várias partes do mundo: apostar na violência como estratégia de imposição sobre as Torcidas adversárias. 
Dos prejuízos causados pelos tradicionais hooligans ingleses até os lamentáveis incidentes envolvendo Torcidas de grandes clubes brasileiros, a violência entre fãs de clubes rivais é quase sempre associada a esses grupos de torcedores, politicamente incorretos e que nem merecem ser considerados como grupos organizados. 
Para mudar essa imagem de agressividade e vandalismo, devolvendo ao futebol a aura de espetáculo que é sua vocação original, nasceu a Torcida Rasta do Vasco, cujo nome é inspirado no movimento religioso, muito difundido pelo ícone do reggae, Bob Marley (rastafári). 
O cantor, que pregava a paz como modo de purificação humana, também é o símbolo maior da torcida criada no Rio de Janeiro há sete anos. 
Em Manaus desde 2012, a Facção Vascaína tem 70 sócios e cerca de 300 “simpatizantes”, como diz Rodrigo Dias, 27, Líder da associação. 
 “A nossa Torcida é mais voltada pra apoiar o clube, cobrar quando tem que cobrar, mas sem violência. Nosso ícone maior é o Bob Marley, que é mundialmente conhecido por sua luta contra o racismo e contra a violência”, diz ele, citando a própria história do Clube de Regatas Vasco da Gama. 
 “O Vasco foi o primeiro clube a aceitar negros no Brasil. Então nosso clube tem uma história de luta por negros, operários, a fim de fazer inclusão social”, diz o líder da torcida “paz e amor” do Vascão. 
 “Tem gente que diz que tem aí o time do povo e tal... mas esses times grandes eram todos contra isso, só queriam jogadores brancos, da elite. O Vasco da Gama foi quem realmente trouxe isso (inclusão) para o futebol brasileiro”, provocou Rodrigo. 
Ali, a provocação é saudável, sem excessos nem apologia à violência, como explica outro membro do grupo, Sandro Arlen, 39. “A ideologia rasta é a ideologia da paz. A gente não canta música que tenha apologia à violência. Tem algumas músicas contra a ‘mulambada’ (gíria para identificar flamenguistas), mas sem nenhum absurdo ou forte provocação”, diz outro membro do grupo cruzmaltino. “É paz, amor, futebol e reggae”, completa. 

NA PRÁTICA 
Mas não é só da boca para fora que os rastafáris vascaínos de Manaus falam sobre “paz e amor”. Segundo o Líder da Torcida Rasta do Vasco em Manaus, Rodrigo Dias, a Facção tem a preocupação de orientar os torcedores a melhor se comportarem nos estádios e também realizam atividades filantrópicas regularmente. 
“A gente faz projetos sociais, doação de sangue, doação de brinquedos, alimentos... em parceria com instituições sérias”, diz Rodrigo, que acredita na paixão pelo futebol como motor de uma transformação positiva na sociedade. “É a transformação social por meio do futebol”, finaliza. 
Fonte: A Crítica e Netvasco

Rasta do Vasco

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

IRA JOVEM 2014: HOMENAGEM AO EX PRESIDENTE DA FORÇA JOVEM DO GOIÁS

No jogo entre Vasco 2 x 0 Joinville realizado em São Januário no dia 26 de Setembro, a Torcida Ira Jovem, presta uma homenagem ao ex Presidente da Torcida Força Jovem do Goiás, Evandro Rodrigues Cavalcante, que morreu no dia 22 de Setembro, com uma faixa colocada sobre a faixa da Torcida, com a inscrição Evandro Eterno.

NOTA OFICIAL – LUTO
A Diretoria da Torcida Organizada Ira Jovem Vasco vem através desta, prestar solidariedade aos familiares, amigos e todos os componentes da Forca Jovem do Goiás neste momento de muita tristeza para todos nos que tivemos a oportunidade de conhecer e conviver com a excelente pessoa que era o Evandro.
Ex Presidente da FJG, Evandro era exemplo de um líder nato, conquistando a confiança e amizade por onde passava, deixa saudades não apenas em sua cidade, mas em todos os cantos do Brasil.
Descanse em paz meu camarada, fique com Deus.
Diretoria de Relações Publicas

DEPOIMENTOS
“Não tenho palavras para expressar a dor que todos nós amigos do grande Evandro, da nossa grande aliada Força Jovem do Goiás! Irmão, Goiânia nunca mas vai ser a mesma, Vá com Deus meu amigo! Evandro Eterno! Descanse em paz, guerreiro! Seu legado jamais será esquecido. Paz!” falou Pierre Diretor da Ira Jovem.
“Estaremos sempre juntos irmão, Evandro FJG. Descanse em paz.”, Disse Mula Manca ex Presidente.
“Obrigada amigo Evandro por tudo que você fez por mim e pelos meus amigos, até quando isso, quando isso vai acabar. Força para os amigos da Força Jovem do Goiás.” Disse Tati, representante da Província Feminina.

Ira Jovem faixa Evandro Eterno 2014

Ira Jovem faixa Evandro Eterno 2014

Ira Jovem faixa Evandro Eterno 2014

domingo, 28 de setembro de 2014

FORÇA INDEPENDENTE 2014: A VOLTA DA FORÇA INDEPENDENTE

Fundada em 21 de Dezembro de 1987 de uma dissidência da Força Jovem e extinta em 01 de Setembro de 1996, com seus componentes retornando novamente para a Força Jovem.
Foi lançada ontem, 27 de Setembro de 2014 na Sede do Calabouço, oficialmente o seu retorno, com novos componentes que não eram daquela época.

FORÇA INDEPENDENTE DO VASCO
Saudações Vascaínas,
O G.R.T.O. Força Independente do Vasco vem através deste, comunicar seu retorno as arquibancadas dos Estádios.
Com intuito de apoiar ao Vasco acima de tudo, a Força Independente ressurge no cenário Vascaíno sem apoio político ou financeiro, seus membros não recebem nenhuma ajuda externa e constroem dia a dia uma Torcida financiada com o seu amor ao Clube de Regatas Vasco da Gama como ideal.
Composta por membros de outras Torcidas cujo os quais já se encontravam cansados de brigas e rachas, um grupo de amigos resolveram criar a base da cooperação mútua, onde não existe divisões, trazendo assim maior igualdade entre os seus associados.
Um novo conceito em Torcida Organizada no Brasil.
Não se trata de uma Torcida voltada para violência, o intuito do G.R.T.O. Força Independente do Vasco é único e exclusivamente o apoio incondicional a instituição Vasco da Gama.
É um novo tempo de desafios e lutas.
Diretoria
G.R.T.O. Força Independente do Vasco
O Retorno

Força Independente do Vasco 2014

Força Independente do Vasco 2014

Força Independente do Vasco 2014

Força Independente do Vasco 2014

sábado, 27 de setembro de 2014

FORÇA JOVEM 2014: 3ª AÇÃO SOCIAL FJV PARA CRIANÇAS DA 1ª FAMÍLIA

"Só é possível ensinar uma criança a amar, amando-a." 
3ª Ação Social FJV 1ª Família (Festa das Crianças)
Dia 27/09 a partir das 13:00 hrs na Barreira do Lins!!
Ainda emocionado com a ação de ontem, do Sopão Beneficente, porém não podemos parar de agir, por isso...
A @Primeira convida a todos a participar conosco da 3ª Festa das Crianças, essa no dia de São Cosme e São Damião, pois todas as crianças merecem um dia dedicado inteiramente a elas, principalmente, as crianças guerreiras de nossas comunidades carentes!!! 
AJUDEM COMO PUDER, seja com doces, biscoitos, brinquedos, refrigerantes!
Participem conosco!!!
Salve as crianças!!

Força Jovem 3ª Festa das Crianças da 1ª Família 2014





sexta-feira, 26 de setembro de 2014

FORÇA JOVEM 2014: SOPÃO BENEFICENTE AÇÃO SOCIAL DA FORÇA JOVEM VASCO 1ª FAMÍLIA MÉIER

A Força Jovem Vasco 1ª Família Méier, fez uma Ação para distribuir alimentos as moradores de rua do grande Méier e redondeza. 
Foi muito gratificante olhar a alegria estampada em cada rosto de cada pessoa que ali estava ajudamos um ser humano, 
Parabéns a Família pela alegria compartilhada com cada pessoa que recebeu nossa sopa .
"Aqui a palavra família é levada ao pé da letra"
A Diretoria do G.R.T.O. Força Jovem do Vasco parabeniza toda 1ª Família por mais esta bola dentro, e está de parabéns por sempre ajudar o próximo.
Diretoria do G.R.T.O. Força Jovem do Vasco
http://www.forcajovem.com.br/
http://www.facebook.com/forcajovemvasco

Força Jovem Sopão Beneficiente da 1ª Família Méier 2014

Força Jovem Sopão Beneficiente da 1ª Família Méier 2014

Força Jovem Sopão Beneficiente da 1ª Família Méier 2014

Força Jovem Sopão Beneficiente da 1ª Família Méier 2014

Força Jovem Sopão Beneficiente da 1ª Família Méier 2014

Força Jovem Sopão Beneficiente da 1ª Família Méier 2014

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

TOV 1976: OS MILAGRES DE SÃO JANUÁRIO, DULCE ROSALINA

Quando o Vasco bateu o Mixto, saindo da constrangedora repescagem para as finais do Brasileirão, todo mundo se lembrou dos pênaltis e outros imponderáveis de São Januário.
Mas a história é outra: entre o povão e o Vascão há uma velha ligação, que faz milagre de uma garra inexcedível....
Entra-se assim no terreno dos condomínios de misticismo. São Januário divide as honras com Santo Antônio, padroeiro de todos os Vascaínos.
Dulce Rosalina, Chefe da Torcida Organizada do Vasco (TOV), pratica e comanda os atos de fé, de uma dispersa fé popular na raça e na grandeza do time. Pai Santana, o massagista,comando o grupo dos funcionários que, de joelhos, marcam os cruzamentos de linha, soltam despachos nas encruzilhadas.
Os dois, Dulce e Santana, não são uma força marginal. Misturam-se pelos domínios alheios, são uma força intermediária, as vezes incômoda, entre o institucionalizado Vasco e a desenfreada Torcida.

CONTRA A DITADURA
A Rua São José é de pedestres. Lá fica o comando da oposição, a Renovação Vascaína, liderada por Medrado Dias. Faz-se, em salas repletas, a política clubista. Nas paredes, bandeiras do Brasil, de Portugal, do Vasco. As eleições serão dia 12 agora.
Dulce Rosalina Ponce de Leon destaca-se no meio dessa confusão. Usa a camisa tradicional, branca com a faixa preta atravessada. Sobre o coração, os dizeres: Chefe da Torcida Organizada.
Então, está havendo uma luta entre esses dois Vasco da Gama: a instituição e a paixão. Pois Agathyrno Silva Gomes em luta pela reeleição?
Não poderá votar, mas está na briga. Mantem a fé e os olhos vermelhos, fala em Deus e faz sua proclamação política:
“Só volto a São Januário quando acabar a ditadura do Agathyrno.”

O AMOR INFINITO
Vascaína há 44 anos, sua idade. Mulher que nasceu na Rua Amazonas, bem em frente a entrada da Sede do Vasco. Que confirmou sua paixão, ao ouvir Raul Campos, ex Presidente do clube dizer: “No Vasco não existe preconceito de cor nem de religião”.
“Foi a frase que gravei. A que me fez realmente Vascaína.”
E a profissão de fé definitiva:
“Vou morrer Vascaína. Eu, meus filhos Maria de Lourdes, 23 anos, casada com o Dutra, beque do Remo de Belém, minha neta Luciana, de 3 anos, e meu outro filho, o Norival, que todo mundo em Ipanema conhece como Liminha.”
Aponta-a foto do Expresso da Vitória.
“Há quanto tempo não temos um grande time. Já nem falo da quantidade do Expresso. Você lembra? Barbosa, Augusto, Rafanelli, Eli, Danilo, Jorge, Friaça, Lelé, Ademir, Jair e Chico. Ainda tem mais gente, o Djalma, o Maneca. Tinha o Isaías, também. E vai por ai. Ipojucã ....
O olhar se perde, cruzam-se os braços. Ela mostra a cicatriz comprida do ombro quase até o cotovelo.
“Isso foi por causa do Vasco. Na Rio-São Paulo, madrugada de 20 de Novembro de 1968. O ônibus da Torcida ia para São Paulo. Dormimos, O Vasco jogava contra o Corinthians e na ida, o ônibus caiu dentro do rio Paraíba. O resultado foi isso aqui. Só não fiquei inutilizada por causa dos médicos Lídio Toledo e Nova Monteiro. Eles salvaram meu braço, e posso continuar torcendo pelo Vasco.”
Uma Torcida apaixonada. E oficializada desde 1956, quando convidada. Dulce aceitou a chefia, E consagrou um estilo.
“Minha vida é o Vasco. Acordo, dou uma ajeitada em casa e vou em frente, ajudar o Vasco.”
É isso mesmo. Dona Dulce está agora em plena campanha eleitoral. Reclama do Presidente, apóia o candidato oposicionista, Faz planos, ingressa na congestionada área das promessas de candidato.
“Quando Medrado Dias tomar posse, nós, associados, não pagaremos mais futebol lá em São Januário. O Célio de Souza voltará para dirigir os juvenis.
E a declaração definitiva.
“Essa camisa representa muito. Nosso amor pelo Vasco é infinito.”
Se ganhar estímulo essa empolgação, as coisas vão acabar num terreno muito estranho. Já não será mais uma Torcida, será como fã-clube de Marlene ou Emilinha, com infalíveis rituais, inderrogável adesão. Ela briga com o Presidente? Briga, e com vontade, diz.
“Com o Vasco, não, Nunca deixo de rezar por ele. Como no dia 13 de Junho, dia de Santo Antônio. Sabia que naquele dia o Vasco seria Campeão da Taça Guanabara. Não tinha dúvida alguma. Afinal, Santo Antônio é português, nasceu em Lisboa. Então, o Zico tinha de perder aquele pênalti. Não deu outra coisa. Quer mais? O gol do Toninho, no empate com o Fluminense. Toninho chutou de longe, A bola bateu no chão, enganou o Renato. Ficou lá: 2 a 2. Ficou lá: Vasco e Flu, 2 a 2. O Toninho entrou no segundo tempo com a camisa 13, e 13 é Santo Antônio, Na minha casa, lá em Copacabana, tenho uma porção de imagens de Santo Antônio. Isso é amor.”
Fonte: Revista Placar 1976

TOV Revista Placar 1976

TOV Revista Placar 1976



quarta-feira, 24 de setembro de 2014

TOV 1944: TORCIDAS BRIGAM NO FLAMENGO E VASCO

Em 28 de Outubro de 1944 no jogo Flamengo 1 x 0 Vasco no Estádio da Gávea com 20.308 pagantes, já tinha acontecido uma briga entre as Torcidas.
“Quando eu era garota, em 1944, o jogo Vasco e Flamengo foi na Gávea. 
O Vasco, invicto com o “Expresso da Vitória”. Naquela ocasião, um jogador do Flamengo apoiou em cima do Argemiro. 
Era o Valido! E ai, naquilo fez o gol, o juiz não viu. 
Eu estava na cadeira, com a bandeira do Vasco e sócia do Vasco. Ai o que aconteceu? 
O pau comeu, eu garota, já vi...e pá e tá e pá, de cá.. Minhas primas estavam todas brigando, aquela cadeirada toda Vascaína brigando. “ Disse Dulce Rosalina.

Flamengo x Vasco Gávea 1944



terça-feira, 23 de setembro de 2014

VASCO 1937: CORRIDA DE AUTOMOBILISMO EM SÃO JANUÁRIO

São Januário já foi palco de corrida de carro. 
O Circuito Automobilístico Infantil nos anos de 1937 e 1938.

Vasco São Januário Circuito Automobilístico Infantil Revista Noite Suplemento 1937

Vasco São Januário Circuito Automobilístico Infantil Jornal das Moças 1937

Vasco São Januário Circuito Automobilístico Infantil Revista Careta 1937

Vasco São Januário Circuito Automobilístico Infantil Revista Careta 1938



segunda-feira, 22 de setembro de 2014

domingo, 21 de setembro de 2014

FORÇA JOVEM 1995: 5ª FAMÍLIA ZONA SUL/BARRA FAZENDO A FESTA DAS ARQUIBANCADAS

Entre a Barra da Tijuca e o Maracanã há uma longa distância, mas não há nada que separe o torcedor do seu Clube, Onde quer que vá, o amante do futebol carrega as cores do time, seja no coração, seja em camisas, bonés e faixas. 
A Torcida Organizada é um dos caminhos mais procurados para estreitar as relações dos torcedores com seus Clubes de coração.
As grandes Torcidas Organizadas possuem núcleos, espalhados por toda cidade.
Na Barra, existe uma facção da Força Jovem do Vasco. Afinal, é facção, pelotão ou núcleo?
“Por volta de 1991, 1992 a Torcida foi crescendo e ficando desordenada. 
Resolveu-se então dividir a Torcida por zonas, cada uma chamada de Família. Pelotão não, porque não somos de guerra”, explica Marcelo Granzotto, o Marcelo Zona Sul, 23 anos, há 6 anos a frente da 5ª Família da FJV, na Barra da Tijuca.
requisito principal para se tornar parte desta Torcida é ter boa formação de carácter. O exemplo vem de cima, Bacharel de Direito, Marcelo leva os ensinamentos aprendidos na faculdade.
“Eu penso, até pela minha formação acadêmica, que o direito de um acaba quando começa o do outro. Por isso, quando um membro gera confusão, é excluído dos quadros do Clube,” afirma.
A violência extra campo assusta os próprios integrantes da Torcida.
“Quando saímos para os jogos, sempre pedimos ajuda para os policiais do 18º Batalhão de Polícia Militar, que nem sempre podem ir. Se o Estado botar policiamento nos jogos, a violência acaba”, avalia Marcelo.
Fonte: Jornal O Globo 14 de Julho de 1995 

Força Jovem 5ª Família Jornal O Globo 1995

Força Jovem 5ª Família Jornal O Globo 1995

Força Jovem 5ª Família Jornal O Globo 1995

Força Jovem 5ª Família Jornal O Globo 1995

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

TOV 1970: CARTOLA GUARDA O VASCO NO CORAÇÃO E NO ENORME SORRISO

DE INÍCIO, O APURO NO VESTIR
“Eu sou Vasco.”
O sorriso de João Ferreira da Silva é largo e cheio de escudos de seu time.
“Eu sou Vasco.”
Ele fala seu amor ao Vasco, um amor que nasceu da gratidão de João por um português que o ajudou no começo de sua vida no Rio.
“Eu sou Vasco.”
Todas as crianças do Catete sabem disso e João gosta de ser reconhecido nas ruas quando passa esnobando com seus dentes vascaínos.
“Eu sou Vasco.”
Na janela do quarto onde mora, sempre a bandeira do Vasco tremula. E, quando sai a rua, veste seu terno preto, camisa de peito duro, e botões com escudo do Vasco, gravata borboleta e chapéu côco. Por isso, todo mundo o conhece como Cartola.
“Eu sou Vasco.”

QUATRO ESCUDOS NA BOCA, UM NO ESTÔMAGO
Casaca, casaca, casaca.
João Cartola tinha os dentes perfeitos até há oito anos, quando teve que extrair um. No dentista da Marinha, de onde é reformado como Segundo Sargento, ele deu uma de Boca de Ouro.
“Arranca tudo, doutor.”
Tanto de uma vez.
O dentista achou engraçado o pedido e ainda mais quando João contou o que estava querendo fazer.
“Vou colocar todos os meus dentes com o escudo do Vasco. É a homenagem que eu estava querendo prestar e não encontrava como.”
Mas custa muito dinheiro fazer todos os dentes com o escudo de seu clube, e João mandou fazer apenas cinco.
Esperava mais tarde completar. Quando apareceu na torcida, todo vestido a rigor e com seu sorriso Vascaíno, o sucesso foi enorme.
Os jornais procuraram-no e o Cartola, que antes era um torcedor anônimo, ficou famoso.
Um dia, ele ficou em casa para ouvir o Vasco jogar com o Flamengo, o Clube que tinha mais gosto de vencer.
Mas. Nesse dia, as coisas mudaram. O Flamengo vencia por 2 x 0 e Cartola comia nervosamente um churrasco.
A cada ataque forte do Flamengo, ele mordia com raiva um pedaço de carne. Numa dessas vezes, o escudo do dente da frente foi junto e Cartola ficou com apenas quatro escudos nos dentes e um no estomago. Até hoje.

NO CAMPO ELE SE TRANSFORMA
Casaca, Casaca, Casaca.
A caminho do Estádio, João leva os nervos a flor da pele.
Desde cedo ouve as notícias e a simples contusão de um jogador dá dores de cabeça.
Qualquer palavra de estimulo a outro clube parece uma ofença pessoal. Menos quando as brincadeiras partem das crianças.
“Essa meninada é o diabo. Todo mundo torce pelo Flamengo. Ainda não descobriram a beleza que é ser Vascaíno.”
Uma semana antes do jogo, Carlota já está concentrado. Na janela, a enorme bandeira do Vasco. E lá dentro, ele começa a limpar os quadros com equipes do Vasco de antigamente: Jaguaré, Brilhante e Itália; Tinoco, Fausto etc... Ele vai ao Estádio para torcer pelo jogo e pela tradição. Assim que o juiz entra em campo, Cartola, que é um homem tranqüilo e alegre, começa a vaiar e gritar, como protestando contra possíveis erros que o árbitro possa cometer contra o Vasco:
“Quando os jogos eram em São Januário, eu gostava muito. Lá eu entrava de graça e todo mundo gostava de mim.”
Agora, Cartola quase não vai mais ver os jogos do seu Clube. Principalmente depois que alguém disse, durante um jogo perdido do Vasco.
“Depois que começaram a colocar escudos do Vasco nos dentes, nunca mais ganhamos uma...”
Isso deixou o velho Cartola triste e desconsolado dos campos e fica em casa, ouvindo e torcendo com o radinho de pilha e seu violão.

DA GRATIDÃO NASCEU O AMOR
Casaca, Casaca, Casaca.
Quando João chegou ao Rio vindo de Vitória do Espírito Santo, não entendia nada de futebol.
“Era meninote, tinha 19 anos e vim pro Rio ver o que ia dar.”
Assim que chegou de navio, começou a ficar pobre. Alguém roubou as malas e o pouco dinheiro que tinha.
“Fiquei rodando ali pela Praça 15, me encostando nas esquinas e esperando uma oportunidade.”
A oportunidade veio antes que supunha e mudou toda sua vida. Um português dono de um botequim perto da Praça 15, gostou daquele menino esperto e resolveu dar-lhe uma oportunidade.
Ao mesmo tempo, iniciava João Ferreira da Silva nos mistérios do futebol e na Torcida ferrenha pelo Vasco da Gama.
“Todo jogo ele me levava. Me ensinava o nome dos jogadores e comentava alto as jogadas, Fui ficando fanático pelo Clube.”
Alguns anos depois, novamente o acaso viria socorrer João. Ele fazia biscates lavando carros no Centro da cidade, quando conheceu Ciro Aranha, um dos maiores Vascaínos de todos os tempos.
Foi gostando cada vez mais do Vasco e ganhando a amizade de Ciro, que um dia resolveu colocá-lo na Marinha, onde Cartola passou os melhores anos de sua vida.
“Viajei quase pelo mundo inteiro, tomei banho no Rio Jordão, ganhei e perdi muito dinheiro.”

RECORDAÇÕES DE CARTOLA
Casaca, Casaca, Casaca.
Há doze anos Cartola anda triste. De vez em quanto ele limpa os quadros e se lembra dos antigos quadros do Vasco.
“O Lelé custava a ver a bola. Mas quando acertava um chute, era de lascar.”
Cartola passa a mão em um outro quadro, dá um sorriso maroto e fala com convicção.
“Esse foi o maior do mundo. Não tinha Santos, não tinha Real Madrid, não tinha nada. Esse era o maior.”
Hoje, Cartola não vai mais ao Maracanã, Fica em casa ouvindo pelo rádio e roendo as unhas, Além dos desgostos, não tem dinheiro.
E Cartola diz que ganhou muito dinheiro pela vida.
“Mas gastei tudo com mulher, Eu amava muito e as gringas eram malucas por dinheiro....”
Fonte: Jornal O Globo 22 de Setembro de 1970


TOV Cartola Jornal O Globo 1970

TOV Cartola Jornal O Globo 1970


quinta-feira, 18 de setembro de 2014

TOV 1965: CORINTHIANS X VASCO EM SÃO PAULO

Triste a viagem de volta dos torcedores cruzmaltinos. 
Durante toda a semana as esperanças foram se acumulando e quinze ônibus repletos chegaram bem cedo no Pacaembu. 
As entradas foram compradas e muitos almoçaram pelo Estádio mesmo, não querendo deixar um minuto o lugar adquirido na arquibancada. 
A Torcida visitante causou ciúmes a corintiana e os gritos de guerra começaram com as equipes entrando em campo. 
Com 16 minutos do segundo tempo, as bandeiras do Club de São Januário não mais tremulavam. 
Lenços brancos eram agitadas por todo o Estádio e os gritos de Corinthians acompanhavam todos os ataques locais,
Poucos minutos para o término do encontro, a Torcida carioca começou a deixar o campo. As vaias marcavam a despedida e ouvindo os gritos de “o Vasco é freguês”, cada um procurava o seu ônibus para a volta. 
Triste regresso de uma ida cheia de esperanças e nem menos o consolo de ter assistido ao único gol de sua equipe, pois como perdedora, a Torcida Vascaína deixou humilhada e de cabeça baixa o campo da luta. 
O entusiasmo local foi incontrolável e um torcedor após o terceiro tento corintiano, pulou o alambrado e sem camisa invadiu o campo e abraçado pelos jogadores.
Fonte: Jornal O Globo 15 de Fevereiro de 1965


TOV Jornal O Globo 1965

TOV Jornal O Globo 1965

TOV Jornal O Globo 1965

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

TORCIDA DO VASCO 1941: FOTOS 01


Torcida do Vasco São Januário Revista Careta 1941

Torcida do Vasco Gávea Revista Careta 1941

Torcida do Vasco São Januário Revista Careta 1941


terça-feira, 16 de setembro de 2014

VASCO 1929: INAUGURAÇÃO DO SALÃO DO RESTAURANTE DE SÃO JANUÁRIO

Acaba de ser inaugurado o luxuoso Restaurant do Stadium do Club Vasco da Gama. 
É mais um melhoramento na importantíssima sociedade, que é uma das maiores da América e um padrão de glória dos nossos compatriotas, que são, como se sabe, os seus mais fortes esteios. 
A nossa gravura apresenta um aspecto tomado após a inauguração, vendo-se a Directoria (sentada) e , em pé, os representantes da imprensa e chonistas esportivos, presentes a cerimônia.
Fonte: Revista Lusitania 16 de Agosto de 1929

Vasco Revista Lusitania 1929





segunda-feira, 15 de setembro de 2014

VASCO 1927: SÃO JANUÁRIO, O MAIOR STADIUM DA AMÉRICA DO SUL

Revista Fon Fon.

Vasco Revista Fon Fon 1927

Vasco Revista Fon Fon 1927

Vasco Revista Fon Fon 1927

Vasco Revista Fon Fon 1927

Vasco Revista Fon Fon 1927

Vasco Revista Fon Fon 1927

Vasco Revista Fon Fon 1927

domingo, 14 de setembro de 2014

FORÇA JOVEM 1998: ANIVERSÁRIO DO CENTENÁRIO DO VASCO

No dia 21 de Agosto de 1998 o Vasco da Gama completou 100 anos, diversas homenagens foram feitas, a Força Jovem publicou a sua no Jornal do Brasil.
“Todos componentes parabenizam pelos 100 anos que tem nos dado de alegria”. Fernando Leal Presidente da Força Jovem
“Parabéns pelo Centenário”!!! Dos componentes da Sede da maior Torcida Organizada do mundo. Força Jovem Vasco”. Charles, Robertinho, Geovani, Ben-Hur, Vítor de Niterói, Vítor do Méier, Pita, André e Português.
“Muito mais que um Clube, uma paixão para torcer, uma razão pra viver.” Davi FJV Caju.
FONTE: Jornal do Brasil 21 de Agosto de 1998

Força Jovem Jornal do Brasil 1998

Força Jovem Jornal do Brasil 1998

Força Jovem Jornal do Brasil 1998

Força Jovem Jornal do Brasil 1998

Força Jovem Jornal do Brasil 1998

Força Jovem Jornal do Brasil 1998

Força Jovem Jornal do Brasil 1998

Força Jovem Jornal do Brasil 1998